Você sabe qual é o grande vilão da obra?
3 minutos de leitura
17 de Maio de 2017

Você sabe qual é o grande vilão da obra?

A construção civil é um dos ramos de negócio em que mais há desperdício. Basta andar pelas ruas para vermos caçambas abarrotadas de entulhos de obras. O assunto também é recorrente nas notícias divulgadas pela imprensa. Só que é preciso lembrar que onde há desperdício, há também dinheiro indo embora. Por isso é importante pensarmos sobre o assunto.

A construção civil nacional tem, em média, perda de 5%. Isso sem considerarmos o mercado informal, responsável por mais da metade das construções. Pode até parecer um percentual pequeno, no entanto, é preciso lembrar que o custo de uma obra envolve sempre bastante dinheiro. Logo, o impacto pode incomodar e merecer bem mais atenção do que se imagina.

Segundo o coordenador do MBA Gerenciamento de Obras, Qualidade e Desempenho da Construção do IPOG, Flávio Sohler, algumas obras chegam a apresentar uma perda de até 20%. Em outras palavras, isso significa que 1/5 do que foi gasto com materiais, foi direto para o lixo. “É preciso ter processos que racionalizem essa utilização e minimizem o desperdício”, alerta Sohler.

E para te ajudar a combater esse desperdício, nós separamos algumas dicas para você. Repare que a maioria se refere a hábitos simples no canteiro de obras, mas que podem significar muito no custo final. Confira!

1)    Sempre faça um projeto da obra. Pode ser um esboço ou algo mais completo. O que importa é ter um projeto e clareza sobre o que irá ser feito. Isso facilita o orçamento e evita gastos com materiais desnecessários.

2)    Tenha sempre em mãos uma lista de compras. Jamais saia para comprar algo ou peça para que alguém compre sem fornecer a programação, o que deve ser comprado. A regra é a mesma que a gente utiliza quando vai fazer as compras do mês para nossa casa. Se não tiver lista, acaba comprando mais do que deveria! A presença de um profissional para definir o que deve ser comprado é fundamental!

3)    Não compre todos os materiais de uma vez. A grande quantidade pode levar ao desperdício. Estabeleça etapas.

4)    Organize o canteiro de obras. Mantenha tudo sempre limpo e evite mudanças. O deslocamento do material também gera desperdício. Por isso, logo no início já defina espaços para corredores e para depósitos de materiais próximo aos locais em que serão utilizados.

5)    Calcule bem a espessura das vigas de acordo com as de alvenaria. Isso evita o preenchimento seja feito com argamassa.

6)    Considere a possibilidade de ter uma central de montagem para manuseio do aço. Essa medida tem contribuído para reduzir os custos e melhorar o padrão de qualidade. Isso porque para trabalhar com aço, é necessária uma série de etapas que vão desde o recebimento no canteiro até a montagem.

7)    Cuidado com a argamassa! A argamassa para revestimento é um dos mais frequentes fatores de desperdício nas obras, desde as péssimas condições de estocagem e de preparação, até a aplicação.

Para encerrar nossas dicas, pedimos um conselho para o coordenador do MBA do IPOG, Flávio Sohler:

DICA DO ESPECIALISTA IPOG:

Esteja atento à compatibilização dos projetos arquitetônico e estrutural. “Ao fazer uma sala em que serão utilizados azulejos 80X80, o correto será projetar um cômodo com medidas múltiplas de 80cm. Assim, não será necessário cortar nenhum azulejo, evitando o desperdício”, explica o especialista. Por isso, engenheiros e arquitetos precisam estar alinhados, além de buscarem ampliar seus conhecimentos. Porque podem até parecer passos óbvios, mas acredite: muita gente não faz!


Artigos relacionados

O que acontece quando engenharia e empreendedorismo se encontram? Geralmente, os cursos de graduação em Engenharia Civil, não preparam os alunos para o empreendedorismo. Pelo contrário, o tradicional perfil do engenheiro é o que busca trabalhar em uma construtora ou em outra empresa do segmento.No entanto, diante da movi...
Conheça 4 cargos que estão em alta na Engenharia Recentemente, uma reportagem publicada no site da Revista Exame abordou a reação no mercado da Engenharia. A base para a produção do conteúdo foi um novo estudo de tendências e salários no Brasil elaborado pela consultoria de recrutamento HAYS.Segundo o re...
Saiba por que a Engenharia Elétrica é a terceira área mais bem paga no país Energias renováveis, setor de tecnologia, construção civil, biomedicina, indústria eletroeletrônica, telecomunicações. Muitas são as possibilidades de atuação para o engenheiro eletricista, mesmo em tempos de crise.O mercado de trabalho da Engenharia Elétr...

Sobre Flavio Augusto Settimi Sohler

Pós-Doutor em Engenharia Civil-TUHH (Alemanha) e LNEC (Portugal); Cursou doutorado em engenharia civil na UFRGS; Doutor em Psicologia Organizacional pela PUC-GO; Mestre em Engenharia de Produção pela PUC-RJ; Pós-Graduado em Análise de Sistemas-PUC-RJ e Project Finance-USP; Graduado em engenharia civil pela PUC-RJ. Coordenador e Professor no IPOG no MBA Gestão de Projetos em Engenharias e Arquitetura; MBA
Gerenciamento de Obras, Qualidade e Desempenho da Construção; MBA Projeto, Execução e Desempenho
de Estruturas e Fundações; MBA em Negócios Imobiliários & Inteligência de Mercado

Comentários