Enfermeiro também pode empreender?
3 minutos de leitura
21 de julho de 2017

Enfermeiro também pode empreender?

Enfermagem

Foi-se o tempo que enfermeiro só tinha a opção de trabalhar em hospitais e unidades de saúde. Hoje, o leque de atividades que esses profissionais podem atuar está muito mais aberto. Promissor também! Cada vez mais é possível observar empreendedores nesse ramo de atividade.

Sim, é verdade! Enfermeiro também pode ser um empreendedor. É o que conta o professor Vandré Mateus. Ele é coordenador dos cursos de pós-graduação do IPOG: Atenção Farmacêutica & Farmácia Clínica; e Farmácia Hospitalar & Serviços de Saúde.

“Tomar a decisão de realizar um curso, fazer uma pós-graduação, com certeza é um indivíduo diferenciado, que pensa em seu crescimento profissional, para poder desenvolver projetos estruturados que irão trazer ótimos resultados para a instituição e principalmente para os pacientes, em termos de saúde”, conta o coordenador.

Diferente do que a maioria das pessoas pensam, empreender não é sinônimo de abrir um negócio próprio. Claro que abrir uma nova empresa é uma das formas de empreendedorismo, contudo, também é possível o enfermeiro empreender dentro do próprio hospital em que já trabalha, como explica Vandré Mateus. Para ele, existem muitas áreas promissoras e carentes de profissionais especializados.

Além das atividades relacionadas ao cuidado direto dos pacientes, o profissional da enfermagem deve ter outros focos, propondo e atuando em novas áreas, tais como: controle de infecção hospitalar; gerenciamento de riscos e núcleo de segurança do paciente; padronização e compras de materiais médicos hospitalares, membro técnico e/ou efetivo de comissões hospitalares, entre outras atividades.”

Que é possível ter uma carreira empreendedora você já sabe. Agora, se de toda forma, você tem aquele sangue empreendedor pulsando nas veias e quer desenvolver o próprio negócio, pensamos também nessa possibilidade. Aproveite, preparamos algumas dicas de negócios e oportunidades para você:

1) Home Care ou Daily Care:

Nestas duas oportunidades de negócio, o enfermeiro vai até a casa do paciente para fazer o atendimento. É um atendimento especializado, mas que pode ser realizado à pessoas de todas as idades. O enfermeiro pode ser chamado para atividades diversas como: fazer um curativo, orientação e cuidados pós-operatórios, atendimento pós-parto e amamentação, educação em saúde, primeiro banho de recém-nascidos e idosos, entre outras atividades.

2) Cuidados à terceira idade:

O enfermeiro pode se especializar no atendimento geriátrico e auxiliar famílias no cuidado com idosos. Nesta área, o profissional pode realizar atividades que vão desde a socialização até a reabilitação de pacientes.

3) Child Care:

Muitos pais se sentem inseguros em deixar os filhos em creches e berçários. Por isso, podem contratar enfermeiros particulares para os pequenos. Outras oportunidades para estes profissionais é o atendimento dentro das próprias creches como:

  • realização de assistência integral aos alunos;
  • análise de práticas e cuidados;
  • formulação de planos de atuação para redução de doenças prevalentes na infância;
  • capacitação e treinamento de equipe.

4) Atendimento corporativo:

O profissional de enfermagem pode atuar dentro de empresas na área de saúde do trabalhador. Além de desenvolver projetos e políticas de segurança do trabalho dentro das empresas que incluem atividades de primeiros socorros, análises ergonômicas, entre outras.

5) Promoção de eventos educacionais em saúde:

Os profissionais da área de enfermagem também podem trabalhar no desenvolvimento de projetos educacionais em saúde para empresas como: ministrar palestra sobre prevenção de doenças sexualmente transmissíveis, cuidados com o corpo e higiene, entre outras atividades.


Sobre Vandré Mateus

Farmacêutico há 19 anos pela Universidade Camilo Castelo Branco - SP; Mestre em Ciências da Saúde com ênfase em Atenção Farmacêutica; Especialista em Farmácia Hospitalar e Farmácia Clínica pela Sociedade Brasileira de Farmácia Hospitalar; Capitão Farmacêutico do Hospital da Polícia Militar do Estado de São Paulo; Vice-Presidente da Sociedade Brasileira de Farmácia Hospitalar; Consultor de empresas no Ramo Farmacêutico. Professor e coordenador dos cursos de pós-graduação em Atenção Farmacêutica e Farmácia Clínica e Farmácia Hospitalar & Serviços de Saúde do IPOG.

Comentários