Quarta Revolução Industrial: como o Brasil tem se preparado
3 minutos de leitura
22 de setembro de 2017

Como o Brasil tem se preparado para a quarta revolução industrial

A humanidade é movida por ciclos complexos de revolução voltada para a produção de bens e serviços, em nível global. A primeira revolução industrial, iniciada no século XVIII foi puxada pela descoberta da energia obtida pelo vapor, necessária para alavancar o funcionamento de máquinas e potencializar a produção, antes feita de forma braçal.

A segunda teve como protagonista a energia elétrica, e seus benefícios na geração de produtos em larga escala. Já a terceira foi estimulada pela forte presença da tecnologia e teve início em meados do século passado.

Qual o contexto da Quarta Revolução Industrial?

Estamos vivendo em plena fase da Quarta Revolução Industrial, que tem como grande elemento fomentador a hiperconectividade das nações, propiciada pela popularização da internet. Observa-se com isso uma mudança nos sistemas de produção e consumo, além de um forte uso da inteligência artificial.

Inclusive, observa-se hoje a eclosão de smart cities, ou seja, cidades inteligentes, projetadas com ambientes de hiperconectividade, uso intensivo de tecnologia de comunicação e de informação. O conceito de smart cities, ou cidades inteligentes, se define pelo uso da tecnologia para melhorar a infraestrutura urbana e tornar os centros urbanos mais eficientes e melhores de se viver. A ideia ganhou força nos últimos cinco anos e foi impulsionada pela construção do zero de cidades inteligentes como Songdo, na Coreia do Sul, e Masdar, em Dubai.

Amparada a essas transformações, nota-se também a valorização pelo desenvolvimento de fontes de energia renováveis, produtos ecologicamente corretos e com menor impacto ao meio ambiente.

O assunto dominou a reunião do Fórum Econômico Mundial de 2016, em Davos, na Suíça, onde as nações economicamente mais relevantes se reuniram para discutir a forte presença de tecnologias digitais que tem acarretado na mobilidade e conectividade entre pessoas, e na circulação de bens em nível universal.

Mas como o Brasil está encarando essa quarta revolução industrial?

Segundo análise dos especialistas, o Brasil precisa focar seus investimentos nos seguintes quesitos para dar saltos significativos neste novo formato de revolução:

  1. reduzir a desigualdade social
  2. investir mais na educação
  3. manter os avanços sociais alinhados ao aumento da produtividade
  4. integrar mercados regionais
  5. estimular a criação de um mercado digital comum
  6. incentivar o desenvolvimento de produtos provenientes da energia renovável

Para conseguir acompanhar a evolução dos países mais desenvolvidos, o Brasil precisa fazer a sua parte priorizando os itens descritos acima. Segundo especialistas, o país conseguiu reduzir a desigualdade social na última década, mas precisa investir mais pesado em educação e inovação para obter ganhos em produtividade e ampliar sua participação nesta nova economia.

Como o Brasil poderia se preparar para esse momento?

Seria fundamental que o país implementasse políticas públicas eficazes para nivelar por cima o desenvolvimento intelectual da nação, formando com isso um volume maior de mentes preparadas para encarar os desafios tecnológicos e virtuais marcantes dessa quarta revolução industrial. Com isso, o Brasil passaria de consumidor de tecnologia, a produtor de novas soluções tecnológicas, puxando para si uma parte deste desenvolvimento global.

Uma pesquisa realizada pela consultoria Accenture estima que a participação da economia digital no PIB do Brasil saltará dos atuais 21,3% para 24,3% em 2020 e valerá US$ 446 bilhões (R$ 1,83 trilhão). O mesmo estudo aponta que o país precisa manter os níveis atuais de educação e expandir investimentos em novas tecnologias e na geração de uma cultura digital para acelerar ainda mais o progresso. Se o Brasil aplicar recursos ativamente nessas áreas, a consultoria prevê que o segmento econômico poderá movimentar outros US$ 120 bilhões (R$ 494 bilhões) além do previsto.

Gostou da leitura? Que tal saber qual o perfil do profissional que está se destacando no setor industrial?

 


Artigos relacionados

Formei! E agora, por que devo fazer uma especialização? A experiência adquirida em uma graduação há um bom tempo deixou de ser o principal motivo para conseguir um bom cargo nas organizações e até mesmo para ingressar no mercado de trabalho. Hoje em dia, os recrutadores dão vantagens para aqueles que possuem algum ...
Profissional de Contabilidade, você sabe por que também precisa desenvolver Inteligência Emocional?... Independente da sua atuação profissional, desenvolver a Inteligência Emocional pode ser o grande segredo para traçar uma carreira de sucesso. Essa competência muitas vezes demonstra o seu nível de maturidade para lidar com situações diversas, enfrentar desafio...
Gestão de pessoas no Agronegócio: uma visão humanizadora diante do tecnicismo O Brasil é um país de dimensões continentais surpreendentes, permitindo que em um mesmo território possa-se adaptar diferentes tipos de cultivos e culturas, de acordo com as melhores condições climáticas e de solo, apresentadas pelas suas cinco regiões. A sua ...

Sobre Edésio Lopes

Doutor engenharia civil pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) na área de Infraestrutura Viária, onde também obteve o seu mestrado, graduado pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). É coordenador do MBA de Infraestrutura de Transporte e rodovias do IPOG; MBA Geociências e Geotecnologias; MBA Planejamento Urbano Sustentável; MBA Executivo em Logística de Distribuição e Produção. É colaborador na IDP engenharia (empresa sediada na Espanha) em projetos voltados para infraestrutura de transportes, logística e mobilidade urbana. Atuou por 9 anos como pesquisador no LabTrans/UFSC em projetos relacionados a infraestrutura de transporte em órgão federias e estaduais. Atuou como professor no setor de Geodésia no departamento de engenharia civil da UFSC e trabalhou no Laboratório de Fotogrametria e Sensoriamento Remoto em projetos de auxílio à execução de planos diretores municipais.

Comentários