20 erros que devem ser evitados na condução de uma empresa
6 minutos de leitura
01 de fevereiro de 2018

20 erros que devem ser evitados na condução de uma empresa

No desempenhar da minha profissão, tenho tido oportunidade de aprender com grandes mestres da gestão empresarial, que em proveitosos bate-papos, me transmitem a imensa sabedoria adquirida por anos de prática, somados a estudos sobre a excelência administrativa. Hoje, eu decidi compartilhar um pouquinho desses conhecimentos com você que pretende ser ou já o líder de uma empresa.

Neste post, compartilho com vocês um desses memoráveis momentos que trago registrado na memória (e em vídeo), quando tive a oportunidade de entrevistar o mestre Raul Candeloro, editor-chefe da Revista Venda Mais, pelo qual nutro grande admiração.

O profissional pontuou quais os principais erros cometidos por gestores das mais diferentes áreas, e que acarretam na desmotivação da equipe e na perda do alcance das metas. Esse levantamento teve como base uma pesquisa conduzida por Candeloro, com os assinantes da publicação Venda Mais. O mais incrível é que tais erros são mais corriqueiros do que parecem e muitas vezes, você pode estar cometendo alguns deles sem ao menos perceber. Vamos fazer essa reflexão juntos?

Principais erros que devem ser evitados na condução de uma empresa

1. Falta de controle emocional

Tão fundamental quanto o conhecimento técnico, o profissional precisa possuir e utilizar o controle emocional diariamente no desempenhar de suas atividades. Independente da carga de stress e cobrança a que está submetido, espera-se que o gestor seja o ponto de equilíbrio e de condução sábia perante os desafios cotidianos.

Um chefe que faz cobranças excessivas, se relaciona com seus subordinados na base de ameaças ou mesmo age com desânimo perante os problemas a serrem resolvidos não conquista o respeito e a confiança de sua equipe. Os departamentos de recursos humanos já aprenderam essa lição:

Sem inteligência emocional, até o mais inteligente dos seres não terá vida longa em uma instituição.”

2. Falta de confiança na equipe comercial

O bom gestor sabe liderar sua equipe, creditando a ela confiança no cumprimento das tarefas delegadas. Para isso, ele procura conhecer as principais habilidades de cada um dos integrantes da sua equipe, para distribuir tarefas que melhor extraem seu potencial.

O excesso de controle, sob o pretexto de dar satisfação a seus superiores sufoca até o mais competente dos profissionais. Procure não ser aquele chefe que quer saber de tudo que se passa durante a negociação, tirando, com isso, a liberdade de sua equipe; ou até mesmo chegando a passar à frente dele. Isso só irá tirar a iniciativa dele nas próximas negociações e desmoralizá-lo perante a equipe, que o verá como ineficiente.

3. Centralização em excesso

Característica atrelada a do item 2. Se você se identificou com a descrição acima, com certeza também está caindo neste erro. Ter dificuldade em delegar as atividades, ou pedir satisfação do passo a passo das atividades de sua equipe soa autoritário e com ar de descrédito de que eles sejam capazes de apresentar o resultado final que lhes foi determinado.

4. Insensibilidade ao feedback

É da natureza humana se ressentir diante de uma crítica. Crescemos aprendendo a lidar com a máxima de que “não dá para agradar a todo mundo”. No entanto, no meio empresarial, as críticas e pontos levantados por aqueles que lidam diariamente com você devem ser vistos de forma mais técnica, profissional. Afinal, ninguém procura emprego por afinidade, para fazer amigos. Logo, é natural que ajustes de conduta sejam feitos para que todos possam exercer seu papel de maneira mais eficiente possível. No trabalho, não há espaço para melindres e para levar para o lado pessoal o que pensam a respeito da sua conduta.

5. Mudanças excessivas

Sabe aquele tipo de pessoa que sempre acorda com uma nova ideia? Que propõe constantemente uma nova forma de se fazer aquilo que foi predeterminado na última reunião? Então… não seja essa pessoa.

Profissionais que vivem alterando os métodos, ou mesmo as metas, deixam a equipe desorientada. Com o tempo, as suas ordens perdem a efetividade pois os subordinados sempre vão achar que amanhã receberão novos comandos, então não precisam se empenhar em fazer aquilo que acabou de determinar.

6. Falha na comunicação

Saber fazer é tão importante quanto saber explicar como se fazer. Pessoas altamente competentes que não sabem expressar aquilo que desejam perdem a eficiência. Mantenha um canal de comunicação aberto com sua equipe e permita que eles possam recorrer a você diante das dificuldades que enfrentarem rumo às metas. Um verdadeiro líder conduz a equipe onde almeja chegar.

7. Discurso vazio

Na vida pessoal ou profissional, não faça promessas que não será capaz de cumpri-las. Você perderá o respeito daqueles que mais lhe consideram.

8. Clientelismo no lugar da meritocracia

As simpatias pessoais não devem ser determinantes na condução do rumo da empresa. Afinal, todo negócio precisa atingir resultados e não se avança no mundo corporativo na base da amizade. Reconheça os integrantes da sua equipe pelo resultado que lhe trazem, sem privilégios com base em critérios não profissionais.

9. Distanciamento da equipe

Não seja aquele chefe que está acima de tudo e de todos. Se colocar num patamar de superioridade só vai lhe afastar das questões do dia a dia da empresa. Seja presente, adote uma política de portas abertas no seu escritório e perceba como as coisas fluem quando as pessoas se sentem mais próximas para nos relatar suas dificuldades e suas conquistas.

10. Falta de conhecimento

Nunca deixe de investir no seu aprimoramento pessoal. Mesmo contando anos de experiência, busque sempre se reciclar, se inteirar das novas práticas, métodos e tecnologias aplicadas ao seu negócio. Afinal, como gestor, supõe-se que você saiba mais ou tanto quanto os membros da sua equipe.

11. Terceirização da culpa

Se você comanda uma equipe e algo sai errado, tenha certeza que, como gestor, você tem parte nesta culpa. Podemos dizer que seja uma culpa solidária. Nunca jogue nas costas da equipe a exclusividade pelo erro. Sempre se pergunte: o que eu poderia ter feito para evitar esse problema? Só assim você e sua equipe crescerão diante das dificuldades.

12. Reunião excessivas

Se você já participou de uma reunião para marcar a próxima reunião sabe o que estou dizendo. Reuniões são para resolver e definir questões. Quando se saem das reuniões com as mesmas dúvidas e questões não resolvidas então há de se perguntar qual a efetividade das reuniões agendadas.

13. Burocracia

Se você deseja que as coisas fluam em sua vida, entenda de uma vez por todas: simplifique processos, facilite a vida da sua equipe. Burocracia só serve para emperrar processos, ou para o poder público justificar a sua morosidade em dar soluções às questões da população.

14. Falta de Metas Claras

O que se espera do vendedor e como fazer para se atingir resultados? Muitos líderes não deixam isso claro. Trabalhar sem metas definidas é o mesmo que navegar ao sabor do vento. Não dá para garantir onde se vai aportar.

15. Falta de Estratégia e Planejamento

Muitos líderes tem grande garra e coração, mas falta conhecimento de ferramentas para planejar sua estratégia e atingir os objetivos. Não seja mais um dentre a multidão.

16. Demora em Dar Retorno ou Tomar Decisões

É o líder gargalo. As coisas sempre enroscam nele, e a capacidade da empresa nunca será maior que o tamanho do líder.

17. Enrolar ou Atrasar o Pagamento de Comissão

Mexer no bolso do vendedor é confusão na certa. O que é combinado, nunca é caro.

18. Reconhecer Vendedores Antiéticos

Se a empresa premia aquelas pessoas que fazem maracutaia nas campanhas de vendas, acaba incentivando este tipo de comportamento, e desmotivando os vendedores que foram corretos nos procedimentos.

19. Foco no Faturamento Contra o Relacionamento de Longo Prazo com o Cliente

O líder que cobra o vendedor para empurrar produtos no comprador, contra a cultura de um bom atendimento e à satisfação do cliente.

20. Líder Apático e Sem Força Interna

Pessoa fraca e que não defende os vendedores na relação com as outras partes da empresa como logística, faturamento, RH, marketing, etc.

Para refletir

Se você se identificou com os quesitos acima, mesmo que sejam apenas alguns, já cumpriu o primeiro passo rumo à sua transformação pessoal. Assumir para si pontos que não são favoráveis à sua postura profissional é um sinal de amadurecimento e vontade de mudança. Se permita ser diferente, a confiar no potencial da equipe que lhe acompanha, a inspirar e a liderar. Tenha certeza, os resultados virão. E sua equipe corresponderá aos seus anseios, ainda mais satisfeita por fazer parte do seu time. Sucesso!

Saiba como uma gestão bem feita pode impulsionar sua carreira. Clique aqui.

Veja quais são os quatro principais erros da área de RH e corrija-os.

 


Artigos relacionados

5 práticas para se tornar um gestor financeiro de sucesso O gestor financeiro é aquele profissional multitarefas, encarregado de conduzir o bom andamento financeiro de uma organização. Sua tarefa inclui muitas atividades desafiadoras que envolvem a análise, organização, controle e planejamento de novos objetivos de n...
#MulheresNoComando: quando empreender torna-se uma consequência Empreender é um trabalho árduo, requer planejamento, requer investimentos. É preciso conhecer onde se pisa em cada etapa do processo. Mas, e quando apenas o coração e a intuição movem alguém a empreender? Mesmo que esse alguém não entenda nada sobre finanças, ...
Coworking e os benefícios para o empreendedor Você já ouviu falar sobre coworkings, os novos espaços de trabalho que têm ganhado força no Brasil? Trata-se de lugares que reúnem diversos profissionais, que compartilham não apenas a infraestrutura, mas também os serviços diários e muita inspiração. O mer...

Sobre Alexandre Souza

empresário com mais de 15 anos liderando equipes de sucesso, eleito pela Revista Venda Mais um dos melhores treinadores de gestão e vendas do Brasil; mentor no SEBRAE; criador do treinamento MMA em Vendas; e professor do MBA Executivo em Gestão Comercial & Inteligência de Mercado e do curso de curta duração em Neurovendas, Negociação e Coaching Comercial do IPOG.

Comentários